Liliane Brito

O ser superficial e o ser interior

 

" Existem sempre duas consciência no ser humano, uma exterior, na qual ele normalmente vive, e a outra interior e oculta, da qual ele nada sabe. Quando se faz sadhana, a consciência interior começa a se abrir e a pessoa adquire a capacidade de entrar dentro de si e passar , lá dentro, por todo tipo de experiência. Com o progresso na sadhana, a pessoa passa a viver cada vez mais nesse ser interior, e o ser exterior torna-se cada vez mais superficial. De inicio a consciência interior parece ser o sonho e a exterior , a realidade. Depois, a consciência interior torna-se a realidade e a exterior passa a afigurar-se a muitos como um sonho ou uma ilusão, como algo superficial e externo. A consciência interior passa a ser um lugar de profunda paz, de luz, de felicidade, de amor, de intimidade com Deus, um lugar onde esta presente a divindade, a Mãe. Tem-se acesso, então, a duas consciências, a interior e a exterior. Esta ultima tem de tornar-se idêntica a primeira e a transformar-se em instrumento dela - tem também de tronar-se cheia de pazm de luz e união com Deus. 

                                                             Letters on yoga, p.307

..." mesmo as coisas que descobrimos pela introspecção mental são somente um somatório de diversas faixas, a figura e o sentido total da nossa formação pessoal escapa à nossa percepção...A visão que temos de nós mesmos é viciada pelo impacto e pela intromissão constantes do nosso eu exterior, do nosso ser vital, que procura sempre fazer da mente pensante a sua serva e o seu instrumento, pois o ser vitaal não se  se importa importa co  o autoconhecimento, mas sim com a auto-afirmação, o desejo, o ego....

Nossa vida decorre entre dois mundos, as profundezas sobre as profundezas do serr interior e o campo superficial da natureza exterior..."

                                  The life divine../ The foundations of Indian Culture

Please reload

Please reload

Encontre por Tags