Liliane Brito

India 2017

 

Saudações desta terra mãe ,a India. 
Gostaria de poder compartilhar com cada um , um pouco dos momentos preciosos q aqui estamos vi vendo. Mas nenhum conjunto de palavras elaboradas e pensadas podem descrever o momento vivido em sua integra.
Cada pessoa do grupo vivencia de diferente forma e sensação  os instantes que se apresentam.
Mesmo sabendo que em qualquer lugar que estejamos pode ser diferente para cada um, devido a posição interna e a escolha da lente que se quer enxergar. 
Passar pela índia é como atravessar um portal , onde a primeira visão é a  oportunidade de se reconhecer. Pois somos bombardeados por uma cultura totalmente peculiar e com a maioria de seus costumes incompreensíveis para nossa limitada mente. 
É necessário purificar...Limpar....Desapegar... A todos os instantes. Os sentidos são estimulados intensamente, a visão contempla o colorido, as flores, o lixo, o trânsito maluco e ao mesmo tempo calmo, onde as buzinas preenchem todos os espaços de possibilidade de silêncio. O povo, As roupas, as comidas, os templos, os altares, tudo é muito e em todos os lugares o tempo todo. Precisamos abrir espaços para perceber o que esta por trás de todo movimento para que os sentidos nos leve a lugares invisíveis e poder ir além do fascínio e curiosidade que as diferenças promovem. Sentir o essencial  que é extremamente forte por aqui. 
Mesmo passando por templos de beleza incrível , o povo é a mais bela paisagem.
Por toda parte os olhos negros e curiosos nos mira, assim como o nosso sobre eles. Se aproximam com sorrisos e uma profundidade no olhar que transmite a humildade,  simplicidade,  honestidade e fé. O sul da India é essencialmente India ainda.
Estamos agora acabando a primeira fase da viagem. Onde tínhamos dois principais focos, o de aproximar da filosofia de Sri Aurobindo e fazer como uma peregrinação pelos caminhos de  Shiva . 
Conhecemos  Auroville, a cidade do amanhecer. Idealizada pela " mãe" , companheira de Sri aurobindo , mestre do Yoga integral.  
Participamos de diversas celebrações, procissões, oferendas, rituais para está força divina. Conhecemos templos antigos que contaram suas histórias. Subimos a montanha de Arunachala, considerada pelos yoguis uma das  peregrinaçoes imprescindíveis para conhecer , vivenciar e referenciar está força  maior da transformação do universo. E com as bençãos destas energias , Finalizamos com uma celebração de casamento entre Shiva e Parvati . O q não poderia ser melhor.

Quando chegamos no norte, fomos abençoados pelo Shivaratri, o dia de Shiva, a cidade estava repleta de práticas e o convite  para se vivenciar na beira do rio Ganges este dia foi um momento auspicioso. Vários mestres, entre eles Prem Baba , Mooji e Swami Chidanand Saraswati estavam fazendo Sat Sanga. Participar e estar proximo de Seres humanos que vivenciam no presente a Luz Divina é uma oportunidade na vida. Eles nos apontam a direção e nos mostra que é possível para todos a iluminação.

Mergulhar nas águas da  mãe Ganga e sentir que esta sendo purificado pelas águas correntes do Himalaia é imperdível.

Passar por Rishikesh é sentir-se integrada a força maior do universo. 

Dois dias vivenciados pela força da Luz. 

A partir dai tudo já estava compreendido e vivido e podemos vislumbrar o fechamento da viagem no Taj Mahal, simbolo do Amor que reverbera no tempo da historia humana.

A viagem acaba , mas os movimentos internos continuam para encontrar internamente um local mais autentico e seguro para se viver.

Namaste. 

O Deus que habita em mim , cumprimenta o Deus que habita em ti.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Please reload